Por que o petróleo fica mais barato lá fora e o preço da gasolina sobe no Brasil?, entenda!

08:30 Fagner Soares 0Comentários

Nos últimos meses, o preço dos barris de petróleo tem atingido os menores valores dos últimos 12 anos e feito o preço do litro da gasolina despencar nas bombas de combustível ao redor do mundo.

Há um ano, o barril do Brent — equivalente ao petróleo em forma bruta — custava US$ 62,58. Agora, a mesma quantidade do combustível é comprada por menos de US$ 30. No entanto, essa redução de preço do petróleo não é vista pelos motoristas brasileiros na hora de abastecer o carro.

De acordo com dados divulgados semanalmente pela ANP (Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis), o valor médio de um litro de gasolina no País segue na contramão daquele cobrado pelos barris de petróleo e, surpreendentemente, subiu R$ 0,04 nas últimas semanas, com custo médio de R$ 3,67.

Segundo especialistas da área de petróleo e gás, esse fenômeno pode ser explicado pelo fato de que o preço da gasolina no Brasil é controlado pelo governo, o que impede que o combustível fique mais em conta conforme a flutuação do valor dos barris de petróleo.
O diretor do Cbie (Centro Brasileiro de Infra Estrutura) e consultor na área de petróleo e gás, Adriano Pires, avalia que o alto preço da gasolina no Brasil tem influência dos 50% recolhidos em impostos pela venda do combustível e da decisão de manter os valores controlados para ajudar a Petrobras, que tem uma dívida que ronda os R$ 500 bilhões.

— Sem repassar o preço, a gente acaba pagando mais caro que o mundo inteiro. Quando o mundo pagava gasolina cara, a gente pagava mais barato. Agora que o mundo paga gasolina mais barato, a gente paga ela mais cara.

De acordo com Adriano, na últimas semana, a gasolina no Brasil estava quase 30% mais cara do que no mercado internacional e o diesel estava quase 60% mais caro.

Para o professor de economia da UFF (Universidade Federal Fluminense) Luciano Losekan, a segurada de preços da gasolina tem a intenção de justamente “compensar” a política que foi prejudicial à Petrobras no passado.

— Até 2013 nós tínhamos uma política de preços que era danosa à Petrobras porque os valores dos mercados internacionais eram maiores do que aqueles praticados no Brasil, Isso causou uma perda muito significativa para a Petrobras e a ideia agora é recompensar isso.
O mestre em Ciências e Engenharia do Petróleo e professor da EAESP (Escola de Administração de Empresas de São Paulo), da FGV (Fundação Getulio Vargas), Rafael Schiozer, observa que a decisão de manter o valor da gasolina mais em conta no passado teve como objetivo o controle da inflação. Em uma projeção, ele afirma que o preço pago pela gasolina nas bombas brasileiras não deve reduzir nos próximos meses.

— Se a Petrobras operasse em um ambiente mais competitivo, a queda no preço do petróleo eventualmente chegaria ao consumidor final, mas não tem perspectiva para que isso aconteça, porque a Petrobras vai segurar o preço um pouco mais alto.


A mesma percepção de Schiozer é vista por Adriano, que não acredita na redução do preço da gasolina. No entanto, ele observa que há uma possibilidade do governo diminuir o valor cobrado pelo diesel em função dos “impactos políticos maiores” causados pelo combustível utilizado em ônibus e caminhões.

Fonte: R7
face

0 comentários: