Produtores que dependem do Rio Doce no ES contabilizam prejuízos - Rádio São Pedro Fm 105,9

Post Top Ad

Produtores que dependem do Rio Doce no ES contabilizam prejuízos

Share This
Cerca de 80 produtores ribeirinhos, que dependiam do Rio Doce para irrigar as plantações, contabilizaram os prejuízos com a chegada da lama de rejeitos da Samarco, cujos donos são a Vale e a anglo-australiana BHP Billiton.

Café, milho, tomate e banana são alguns dos principais produtos que poderiam ter chegado à mesa de diversos consumidores, mas tiveram a colheita prejudicada.

O agricultor Carlos Alberto Rudio, de Itapina, no distrito de Colatina, estima uma perda de 21 mil pés de tomate. "A estimativa é de R$ 200 mil de prejuízo. Pretendo plantar pimentão no local, mas preciso de alguma certeza sobre a qualidade da água”, afirmou.

Nelson Rocha e seu filho Sigmar Santos Rocha também sofreram com a falta de irrigação. Eles perderam 6 mil pés de café conilon, que seriam colhidos em maio. Nas plantações, que utilizam a  técnica de gotejamento, até tentaram voltar a irrigar, mas o problema enfrentado é o entupimento dos bicos por causa da lama.

Segundo o Instituto Capixaba de Pesquisa, Assistência Técnica e Extensão Rural (Incaper), cerca de 80 produtores foram afetados. Muitos voltaram a utilizar a água, no entanto, para alguns tipos de produção o instituto não recomenda a irrigação com água do Rio Doce, como é o caso da horticultura. “A lama pode grudar na folhagem e formar uma película, que pode prejudicar”, explicou o técnico em desenvolvimento rural Ivan Marcelo Nogueira.

Em relação à utilização da água do Rio Doce para irrigação e hidratação dos animais, a Samarco informou que diversos estudos estão em andamento e, assim que concluídos, os resultados serão divulgados.

Alternativa
Mesmo com a água cheia de lama, os produtores voltaram a utilizá-la para o cultivo. Como forma de diminuir o prejuízo, calculado em algo próximo a R$ 500 mil, Ernesto Holz Filho, de Baixo Guandu, que produz banana, capim e cacau, mudou a plantação de alguns hectares.

A banana perdida de algumas partes foi retirada para a plantação de capim. No entanto, agora enfrenta outro problema: a falta de pessoas para comprar o produto. “Ninguém quer comprar porque é utilizada a água do Rio Doce, as pessoas tem medo de que o produto esteja contaminada”, afirmou.

Alguns produtores da região têm medo de investir. “Tive perda de 70% da lavoura. Tenho medo de investir mais em adubo, tecnologia e energia, e o prejuízo acabar sendo ainda maior”, pontuou Edmilson Rocha, que prefere aguardar para depois decidir o que fazer.
Cenário desafiador
As consequências causadas pela lama são muitas. Segundo o professor Laboratório de Gestão de Recursos Hídricos e Desenvolvimento Regional da Ufes, Edmilson Costa Teixeira, em alguns pontos o cenário será irreversível.

“Há alguns pontos em que a lama endureceu e é improvável que volte ao que era antes, mas em outros, pode ser que sim. Em relação ao tempo, depende do controle que está tendo desde onde ocorreu o rompimento em Minas Gerais”, comentou.

O professor também aponta que é preciso ter uma ação conjunta do poder público para orientar os produtores sobre qual tipo de cultura pode ser realizada em pontos do Rio Doce e assim saber se é viável a produção. “Muitas plantações precisam de água mais pura, como as hortaliças. Já outras não, como na plantação de milho”, concluiu.

Fonte:g1

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Post Bottom Ad