Rim humano é ofertado para venda na internet

09:30 Fagner Soares 0Comentários

Das muitas possibilidades que o acesso à internet proporcionou aos usuários, a compra e venda de produtos e serviços é uma das funções mais populares, com diversos sites direcionados para este fim. Contudo, eventualmente, é possível encontrar anúncios excêntricos, ou proibidos, como o publicado na madrugada do último sábado, em um conhecido site, por meio do qual uma pessoa oferecia o próprio rim.

Sob o título "Rim perfeito", a oferta do órgão era feita por um suposto morador do bairro Vila Peri, em Fortaleza. Na descrição do produto, ele afirma ter 35 anos, tipo sanguíneo O negativo e garante que o rim estaria "em perfeito estado de funcionamento". O preço proposto pelo órgão anunciado era de R$40 mil.

O Diário do Nordeste entrou em contato por telefone com o anunciante, por volta das 10h de ontem (21), sem se identificar e simulando interesse pelo rim. Apresentando-se como Jair (nome fictício), o dono do órgão confirmou ser dele o rim a ser vendido e afirmou que, até aquele momento, outras duas pessoas já teriam entrado em contato para saber mais informações.

Ele informou nunca ter tido problemas sérios de saúde e que, durante esta semana, realizaria uma bateria de exames para comprovar seu bom estado e apresentar os resultados às famílias interessadas. Quanto ao valor cobrado, o anunciante mostrou-se disposto a negociar, baixando o preço até R$32 mil. Questionado por quê estaria vendendo seu próprio rim, o anunciante afirmou estar precisando do dinheiro, mas que preferia expor as razões somente quando entrasse novamente em contato para mostrar os resultados.

A reportagem tentou entrar em contato novamente em outro momento para identificar-se como imprensa, mas as ligações não foram mais atendidas.

A situação exposta é considerada ilegal. A lei 9.434, de fevereiro de 1997, esclarece que é crime vender ou comprar órgãos ou partes do corpo humano, com pena de reclusão entre três e oito anos, permitindo apenas a doação gratuita desse tipo de material, à exceção do sangue, do esperma e do óvulo. No caso de um rim, a retirada não pode causar no doador impedimentos no funcionamento do organismo, ou representar um risco às aptidões vitais e à saúde mental ou causar deformação inaceitável.

A Secretaria Estadual da Saúde (Sesa) foi procurada para esclarecer como se dá o processo de doação de órgãos. Segundo a pasta, todos os que estão disponíveis para transplante são listados conforme um sistema nacional, que organiza e distribui os recursos de acordo com a fila de espera e com a compatibilidade dos pacientes. Além disso, os serviços relacionados a esse processo são gratuitos, as doações são voluntárias e doadores e transplantados não se conhecem, caso não sejam da mesma família, para evitar influência ou transação comercial na doação. O Hospital Walter Cantídio, em Fortaleza, é um dos que é credenciado como centro transplantador de rim no Estado.

Maior índice

Em reportagem do Diário do Nordeste publicada em 24 de janeiro, a Central de Transplantes do Estado expôs que 1.158 pessoas estavam na fila de espera por um transplante. Destes, 541 precisavam de córneas, 456 aguardavam um rim, 139 necessitavam de um fígado e 12 esperavam por um coração. No ano passado, contudo, o Ceará conseguiu realizar 1.433 transplantes, alcançando o maior índice registrado em 18 anos. No primeiro mês de 2016, pelo menos 17 procedimentos já haviam sido realizados, sendo 13 referentes a órgãos sólidos, e quatro de células.

Doações

Controle é realizado pelo sistema nacional

1. O programa nacional de transplantes tem organização exemplar. Cada estado tem uma central de notificação, captação e distribuição de órgãos que coordena a captação e a alocação dos órgãos, baseada na fila única, estadual ou regional

2. Para realizar transplante é necessário credenciamento de equipe no Ministério da Saúde. A

Maioria destas equipes é liderada por médico com especialização no exterior, obtido graças ao investimento público na formação de profissionais em terapia de alta complexidade.

3. Hoje mais de 80% dos transplantes são realizados com sucesso, reintegrando o paciente à sociedade produtiva

Fonte: MINISTÉRIO DA SAÚDE

face

0 comentários: