Pedra cariri pode ter o desperdício zerado

11:27 Fagner Soares 0Comentários

O grande desperdício dos resíduos de calcário nas minas das cidades de Santana do Cariri e Nova Olinda pode estar com os dias contados a partir de um trabalho que envolverá governo, universidades e institutos tecnológicos para o aproveitamento do material. O rejeito descartado pelas dezenas de áreas de exploração do produto, leva mais de 70% desse material para o meio ambiente. É comum ver, entre uma cidade e outra, montanhas de cascalhos descartados da extração. A ideia, a partir do segundo semestre, é iniciar uma capacitação, principalmente dos pequenos mineradores, no intuito de criar alternativas de aproveitamento, com um Centro de Tecnologia Mineral do Cariri.

A criação de um Arranjo Produtivo Local (APL) para atuar diretamente na área está sendo trabalhada. A pretensão é dar uma dinâmica de aproveitamento quase que total ao produto. A extração do calcário laminado, a pedra cariri, é principal a atividade econômica produtiva e meio empregatício, especialmente em Nova Olinda, onde se encontra a maior parte das minas de calcário.

O trabalho para implementação do centro vem sendo coordenado pela Secretaria de Ciência, Tecnologia e Educação Superior do Estado (Secite). Segundo o secretário adjunto da pasta, Francisco Carvalho, a ideia é realizar o projeto com a participação das universidades, que têm um interesse nas áreas geológica e paleontológica na região. Além dos institutos de tecnologia, estadual e federal, e parcerias com órgãos como o Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae) e Federação das Indústrias do Estado do Ceará (Fiec).

O trabalho, ainda rudimentar, realizado com a retirada as pedras, acaba não proporcionando um padrão do material e isso gera um desperdício. A finalidade do desenvolvimento de pesquisas para o aproveitamento, irá, segundo ele, agregar valor ao produto. Os trâmites para fazer uma licitação para que seja iniciada a melhoria do galpão onde irá funcionar o centro já estão autorizados pelo governo do Estado, e será no Município de Nova Olinda. A previsão é que a recuperação do espaço aconteça até o mês de julho.

Máquinas adquiridas há alguns anos, e que se encontram no prédio da Fatec - Cariri, em Juazeiro do Norte, serão levadas para Nova Olinda, para serem utilizadas nas atividades de medição do material. "Serão transferidas cinco máquinas. Essa é uma oportunidade que teremos de utilizar os equipamentos de corte. Haverá o beneficiamento das rochas, para a padronização das peças, o esquadrejamento e a fabricação do listelo", afirma Carvalho.

Utilização
O resíduo será utilizado tanto na fabricação de peças artesanais, como na utilização do próprio pó oriundo do processo, que pode ser usado como corretivo do solo e na redução da acidez. Francisco Carvalho disse que, no momento, não há informações sobre algum tipo de aproveitamento que esteja sendo realizado em relação à pedra.

Essa realidade de desperdício vem sendo uma preocupação de muitos anos, principalmente dos órgãos ambientais. Uma fábrica de cimento de Barbalha também tem aproveitado o produto, embora a indústria já tenha área requerida de mineração. Em algumas mineradoras que fazem o melhoramento e o beneficiamento, a intenção é atender ao grupo menos favorecido. A pedra Cariri tem sido utilizada em pavimentação, bordas de piscina e área de lazer. As partes menores, mesmo com o mínimo de aproveitamento, já são usadas na fabricação de peças artesanais e material de acabamento na construção civil. "Ao longo do tempo serão realizados cursos que farão com que os mineradores da região, entendam o real valor do material que eles têm em mãos", disse o secretário. Ele também destaca que o interesse é utilizar uma unidade de reúso de água e energia solar no espaço.

O uso do pó na fabricação do concreto, da argamassa será trabalhado entre as alternativas com tecnologias existentes, para poder transferir esse conhecimento para a região e o setor de mineração, especialmente, e dar uma boa alavancada nos processos de desenvolvimento das cidades de Nova Olinda e Santana do Cariri.

O setor da mineração é um dos que mais emprega nas cidades que têm como base econômica a agricultura. São mais de duas mil famílias que sobrevivem da extração e tratamento da pedra para a comercialização, mas poucas empresas conseguiram se modernizar o suficiente para expandir o negócio.

A maioria se encontra nas mãos de familiares. O processo é rudimentar na maior parte das mineradoras e algumas delas funcionam de forma clandestina, sem atender todos os quesitos relacionados às licenças. Noutras, a dificuldade de se manter com todos os custos trabalhistas é evidente e os proprietários têm se mantido no limite.

Uma das metas que vem sendo perseguidas pelos mineradores, principalmente os que mais conseguiram avançar em termos de qualidade de processamento do produto, é atingir o mercado exterior. Países da Europa tem sido um dos focos de comercialização, a exemplo da Espanha e Portugal.

A primeira remessa do produto enviado para análise de alguns compradores europeus não obteve sucesso. Por ser uma pedra fria, é mais adaptável ao clima tropical. Essa foi a constatação inicial, segundo empresário e presidente da Cooperativa de Mineração dos Produtores da Pedra Cariri (Coopedras), Idemar Alves de Alencar. A entidade possui cerca de 20 integrantes.

Fonte: Diário do Nordeste

face

0 comentários: