Samarco escolheu o que mostrar em inspeções da PF

11:55 Fagner Soares 0Comentários

Funcionários da Samarco teriam acordado com a área jurídica da empresa quais informações poderiam ou não ser entregues a agentes da Polícia Federal que estavam apurando a responsabilidade da mineradora na ruptura da barragem em Mariana (MG).

De acordo com a reportagem da Folha de S. Paulo, a mineradora também definiu quais locais seriam vistoriados por policiais, sendo eles previamente verificados.

O combinado entre os funcionários foi revelado em interceptações telefônicas de diretores da Samarco. A PF desconfiou que a empresa estaria escondendo dados e então pediu à Justiça autorização para os grampos.

A reportagem teve acesso ao relatório da quebra de sigilo telefônico dos investigados.

Os telefonemas de Germano Silva Lopes, gerente geral de projetos, Daviely Silva, gerente de geotecnia, e Wanderson Silva, coordenador de monitoramento, foram interceptados.

A PF pediu também a quebra do sigilo do diretor-presidente licenciado da Samarco, Ricardo Vescovi, mas a solicitação foi recusada. Seis diretores da empresa, incluindo Vescovi, foram indiciados sob suspeita de crime ambiental.

A publicação revela que em 14 de janeiro, o engenheiro Germano Silva Lopes é avisado por um funcionário de nome Lindomar que a PF queria ver registros de tremores do dia da tragédia e trincas em prédios. Segundo a Samarco, os sismos podiam ter causado a ruptura do reservatório, e os policiais foram checar.

A PF destacou que os grampos apontam "fortes indícios" de que a Samarco "tem escondido dados e informações importantes". O inquérito afirma ficar claro que empregados "recebem ordens dos superiores para agirem ou declararem dessa ou daquela forma".

Advogados dos diretores da mineradora argumentam que não houve ocultação ou manipulação de informações, mas "preocupação de padronizar respostas aos milhares de ofícios requisitados" e "dezenas, senão centenas de inspeções".

De acordo com o relatório, diretores combinavam com a assessoria de imprensa da Samarco como passar, omitir ou informar incorretamente dados aos jornalistas.

Resposta
Em nota, a Samarco ressalta que "repudia qualquer alegação de que tenha, em algum momento, tentado dificultar o trabalho das autoridades".

"Desde o acidente, a empresa vem colaborando com as investigações sobre as causas do rompimento da barragem de Fundão", diz a nota.

Maurício Campos Jr., advogado que defende os diretores licenciados da Samarco Germano Lopes, Daviely Silva e Wanderson Silva, disse que ficou perplexo com o "vazamento do conteúdo das interceptações", que considera "invasivas" e "desnecessárias".

A defesa alega que a empresa não teria motivos para não mostrar as trincas que apareceram em prédios da Samarco no dia da tragédia. "A Polícia Federal teve acesso a toda e qualquer informação requisitada", afirmou, em nota.

Fonte:estadao
face

0 comentários: