Terceirização deixa dívida de R$ 14 milhões em Juazeiro

16:30 Fagner Soares 0Comentários

A terceirização do Hospital e Maternidade São Lucas, em Juazeiro do Norte, vai deixar um saldo mensal negativo de R$ 1,6 milhão nos cofres do Município. A denúncia é do vereador Cláudio Luz (PT), que criticou a falta de transparência do processo e o grande prejuízo aos funcionários da unidade e à população que necessita dos serviços.

Segundo Cláudio, a própria Prefeitura informou um custo mensal de R$ 900 mil para manutenção do hospital, antes da terceirização. Com a mudança, o valor deve subir para R$ 2,5 milhões por mês. Se for considerado o saldo negativo durante os nove meses restantes da gestão do prefeito Raimundo Macedo (PMDB), o déficit nos cofres públicos deve ultrapassar os R$ 14 milhões.

O vereador Cláudio Luz vai mais longe e coloca o contrato sob suspeita de desvio de dinheiro público. A denúncia de superfaturamento deve ser formalizada junto ao Ministério Público Federal (MPF) e já conta com o apoio dos vereadores Normando Sóracles (PSDB), Rita Monteiro (PDT) e Tarso Magno (sem partido).

Para o vereador Tarso Magno, há fortes indícios de irregularidade. Tarso chama atenção para o fato de a terceirização acontecer no apagar das luzes da administração e próximo a uma campanha eleitoral. Sobre os servidores públicos concursados e lotados no Hospital São Lucas, Tarso Magno avalia como bom o quadro técnico do Município e que esse deveria ser melhor aproveitado. Para o vereador, os servidores estão jogados de lado.

Além das denúncias levantadas contra a administração Raimundo Macedo, o Instituto Médico de Gestão Integrada (Imegi), responsável pela nova gestão do hospital, sofre pressão dos servidores. Cerca de 100 profissionais, entre concursados e contratados, reclamam da transição administrativa. Segundo eles, não há transparência e respeito aos profissionais.

Ainda segundo os servidores, a empresa Imegi está atuando desde o dia 18 de março, sem qualquer comunicado oficial. Mesmo assim, os servidores concursados continuam prestando serviço ao hospital e os contratados não sabem se receberão os salários neste mês de março. O serviço pode entrar em colapso com a ameaça de paralisação dos servidores.

Segundo informação de um representante da empresa Imegi, o Município deve ceder todos os funcionários para a empresa. Os contratados se reuniram com representantes da empresa e da Prefeitura no dia 23 de março, mas saíram sem o compromisso de formalização de contrato de trabalho ou assinatura de carteiras de trabalho. Os servidores também prometem encaminhar denúncia ao Ministério Público do Estado (MPCE) e ao Ministério Público Federal (MPF).

Segundo o vereador Normando Soracles, o que está acontecendo com os funcionários é um verdadeiro terrorismo. Para o vereador, faltou uma conversa preliminar que explicasse o processo de transição. “A terceirização de hospitais é sempre maléfica e essa do São Lucas, escrevam, será um desastre”, avalia Normando.

Além dos problemas relacionados por funcionários e vereadores, a nova administração do hospital deve ser questionada pela contratação de servidores com super salários e sua relação com o grupo empresarial SR Empreendimentos.

A Imegi tem sede no estado da Bahia. O JC procurou os representantes da empresa e da Secretaria de Saúde do Município para falar sobre as denúncias, mas eles não quiseram se manifestar.

Fonte: Jornal do Cariri
face

0 comentários: