Brasil só voltará a ter superávit primário em 2020, prevê FMI

15:20 Fagner Soares 0Comentários

O Brasil só voltará a ter um superávit primário (economia que o governo precisa fazer para pagar os juros da dívida pública) a partir de 2020. A previsão é do Fundo Monetário Internacional (FMI), divulgada no relatório “Fiscal Monitor” nesta quarta-feira (13).

O órgão prevê que as contas do setor público no Brasil continuarão a colecionar rombos, ainda que cada vez menores, pelo menos até 2019.

Este ano, o FMI estima que o país terá um déficit primário de 1,7% do PIB – levemente melhor que o resultado do ano passado.

Em 2015, as contas públicas tiveram o pior déficit primário da história, de R$ 111,24 bilhões, ou 1,9% do Produto Interno Bruto (PIB). Até então, o pior resultado para um ano fechado havia sido registrado em 2014 (-R$ 32,53 bilhões, ou 0,57% do PIB).

Em 2017, o déficit primário do Brasil deve cair para 1,4%; em 2018, para 1%; e em 2019, para 0,3% do PIB.

Segundo o FMI, esse resultado foi piorado pela queda nas receitas públicas, pela alta dos juros e por uma “faxina” de pendências financeiras do passado feita pelo governo, em meio “ao aprofundamento da recessão e à turbulência política”.

"O Brasil está neste momento sofrendo a mais severa contração econômica em muito tempo, então a situação macoeconômica é muito exigente", disse o diretor do departamento de assuntos fiscais do FMI, Vitor Gaspar, a jornalistas ao comentar a projeção. "É fato que a coerência entre as políticas monetária, fiscal e estrutural ao longo do tempo é de suma importância para o Brasil."

"O fato de que há uma considerável incerteza associada à situação política faz com que a formação de um conjunto de medidas consistente seja particularmente exigente para o Brasil."

Déficit nominal a 8,5% do PIB

Já o déficit  nominal do Brasil (que inclui o pagamento dos juros da dívida pública no balanço fiscal) deve atingir 8,7% PIB em 2016 e 8,5% do PIB em 2017. Em 2015, esse déficit chegou a 10,3% do PIB, ou R$ 613 bilhões. Foi o pior resultado da história no período de 12 meses. Esse número é acompanhado com atenção pelas agências de classificação de risco na determinação da nota dos países.

Dívida acima de 80% do PIB em 2017

Como efeito do rombo maior, diz o órgão, a dívida pública do país saltou 10.4 pontos percentuais entre 2013 e 2015. Pela projeção do órgão, ela deve avançar para 76,3% do PIB este ano, contra 73,7% em 2015, e 63,3% do PIB em 2014. O órgão também vê um aumento do endividamento das contas públicas em 2017, para 80,5%.

Sexto pior PIB no mundo

A economia brasileira deve ter o sexto pior desempenho do mundo em 2016, segundo um relatório divulgado na véspera pelo FMI). O órgão piorou a projeção de queda do PIB do Brasil para 3,8%, frente à estimativa anterior de contração de 3,5%, feita em janeiro.

O PIB da Venezuela terá a maior contração entre todas as economias do mundo, com queda de 8%, segundo a previsão do Fundo. Em seguida, aparece a República do Sudão do Sul, com PIB negativo de 7,8%. Guiné Equatorial deve ter o terceiro pior resultado, com recuo de 7,2% da economia.

O desempenho do Brasil deve ficar bem abaixo de outros países da região da América Latina e Caribe, que deve ter contração de 0,5% em 2016. O México deve crescer 2,4% em 2016. Países do Oriente Médio, Norte da África, Afeganistão e Paquistão devem crescer, juntos, 3,1%.

Já em comparação à média de outros países emergentes, incluindo China e Rússia, o PIB brasileiro fica bem atrás. A economia desses mercados deve crescer 4,1% este ano, prevê o FMI.

Fonte: G1
face

0 comentários: