Governo e oposição aposta no corpo a corpo na reta final

16:11 Fagner Soares 0Comentários

O Supremo Tribunal Federal (STF) validou ontem ordem de votação escolhida pelo presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), para sessão que analisará o impeachment de Dilma Rousseff (PT) na Casa. Com votação nominal intercalada entre deputados do Norte e do Sul, o peemedebista pretende criar “onda” favorável ao pedido durante a votação. Em resposta, governo aposta agora no “corpo a corpo” direto com deputados.

Inicialmente, Cunha propôs que votação começasse por deputados da região Sul, deixando Nordeste e Norte - com bancadas mais favoráveis à presidente - por último. O PT e outros partidos, no entanto, questionaram e o presidente acabou recuando.

A proposta final de Cunha, chancelada ontem pelo STF, ainda representa derrota para o governo, pois mantém os estados do Nordeste, região onde Dilma Rousseff tem mais apoio, para o final da votação. Começando com regiões onde a maioria das bancadas são favoráveis ao impeachment, a ordem pode representar uma pressão de última hora sobre deputados indecisos.

A sequência havia sido questionada em Ação Direta de Inconstitucionalidade protocolada pelo PCdoB, que foi rejeitada pela maioria do STF. O pleno rejeitou voto do relator do caso, ministro Marco Aurélio, que defendia votação por ordem alfabética.

Corpo a corpo

Com a sessão confirmada para começar às 8h55min de hoje, governo aposta em ação onde cada voto será disputado diretamente com deputados. Com cada lado declarando sua vitória como “certa”, cenário promete disputa até o último minuto do domingo.

Na noite de ontem, placar do jornal Estado de S. Paulo apontava 342 votos favoráveis ao impeachment e 127 contra – exatamente o número necessário para aprovar o pedido. Para garantir o cenário, grupos pró-impeachment prometem intensificar a divulgação de listas com nomes e contatos de deputados indecisos.

Já o líder do governo na Câmara, José Guimarães (PT), nega que os números do placar se manterão. “A oposição está muito longe de ter os 342 votos. Nós temos votos contabilizados para impedir isso e a sociedade está reagindo, então vamos aumentar o corpo a corpo”, diz.

Na tarde de ontem, governadores petistas Camilo Santana (Ceará), Wellington Dias (Piauí) e Rui Costa (Bahia) passaram o dia articulando votos pró-Dilma em Brasília. No sábado, está prevista visita de Dilma a acampamento contra o impeachment em Brasília.

Fonte: O POVO

face

0 comentários: