89º aniversário da data do seu nascimento

06:37 Fagner Soares 0Comentários

Neste dia 10 de julho de 2016, o site Miséria presta uma homenagem ao homem que foi um dos grandes construtores da Terra de Padre Cícero. Trata-se do médico e político Mauro Sampaio. Renato Sampaio, seu sobrinho, enviou a produção do site uma justa homenagem relatando momentos com doutor Mauro.

Eis o texto

MAURO SAMPAIO, 89º aniversário da data do seu nascimento

Hoje, 10 de julho, o Mauro, se estivesse vivo, completaria 89 anos. Estive presente ao aniversário dele de 87 anos, comemorados com uma missa na Igreja dos Salesianos, em Juazeiro do Norte, como fazia todos os anos. Fui exclusivamente por este motivo, acompanhado de minha mulher Fernanda e do meu filho mais novo, Luís Renato.

Saudades, sentimento justo para quem com ele conviveu e nele se espelhava.

As lembranças de um convívio amigo por muitos anos. Desde pequeno, orgulhava-me do tio prefeito que havia construído a maior estátua em homenagem a um santo. Na vida, compartilhei suas ideias e ideais, vivenciei sua paixão pela terra, a crença em Padre Cícero, a esperança em Deus e o respeito ao povo simples e humilde, romeiros do Padim, a quem dedicava suas votações no Congresso Nacional.

Juazeiro do Norte e seu povo eram os motivos da sua existência. Desapegado de bens materiais, adorava o Cariri.

Já relatei, em outra oportunidade, o privilégio de ter nascido nessa família abençoada, onde muitos serviram de exemplo aqueles com quem conviveram.

Há pouco, conversando com a minha mãe Arina, irmã do Mauro que completará, no próximo mês, 84 anos, falávamos dele. O quanto era espetacular, uma pessoa de bom coração, amiga, incapaz de um ato de indelicadeza a quem quer que fosse. Era o nosso apoio, nosso patriarca. Sua importância extrapolava as fronteiras do Ceará e refletia positivamente em nós, seus familiares do eixo Rio-São Paulo.

Eu era apenas um dos 48 sobrinhos, filhos de seus irmãos, e desfrutava de uma condição em maior escala. Houve reciprocidade entre nós. E há nesse mundo quem ache que sobrinho e nada são a mesma coisa.

Tínhamos, por hábito, telefonar um para o outro todos os domingos e, dependendo da necessidade, conversávamos até diariamente. Falávamos sobre tudo: viagens, restaurantes, saúde, coisas da sua fazenda, política de Juazeiro do Norte e nacional. Ele era amigo do José Serra, foram constituintes juntos e o classificava o melhor nome para a Presidência da República, por considerá-lo preparado, capaz, inteligente e correto. O Mauro era muito espirituoso e ríamos muito das críticas que ele fazia das coisas comuns da vida e das pessoas de nosso relacionamento. Admirava Virgílio Távora, Cesar Cals, Adauto Bezerra e todos os políticos que caminharam ao lado dele na busca do progresso do Ceará. Ele nunca guardou mágoa ou rancor. Sabia que a vida era curta e que deveria ser vivida com intensidade, simplicidade e paz.

Adorava a fazenda que a Rita herdara dos pais no Município de Milagres, onde se sentia em paz. Para lá, ia todos os finais de semana. Cuidava do gado leiteiro, adorava a vaca que atendia pelo nome de Gasolina, a quem dava comida na boca, e desenvolvia inseminação artificial para purificação da raça. Lá, comia se o melhor da região. A Rita cuidava muito tão bem dele!

Viajávamos muito. Eu era uma espécie de guia turístico que ele confiava. Por me comunicar em inglês e francês e por ser desinibido, o Mauro se sentia seguro e admirava o sobrinho "poliglota" (até parece!). Fomos a Itália, França, Espanha, Portugal, Argentina e Chile. No Brasil, viajamos para todos os lados. Era divertido. Planejávamos outros destinos e ele estava sempre disposto a novas aventuras.

Ele gostava de vir a São Paulo.  Sentia-se bem em minha residência, fato que muito me orgulhava. Íamos para a cozinha, preparávamos o jantar. Eu era o "mestre cuca" e ele o "ajudante de cozinheiro". Geralmente as coisas davam certo e eram até comíveis.

Em São Paulo, tinha, por hábito, ir ao Shopping Villa Lobos. Lá, não comprava nada. Dizia ser um "não consumista". Só gostava de produtos fabricados no Brasil e achava um absurdo tantas coisas feitas na China.

Aqui, fazia anualmente check-up médico no Hospital do Coração e no Hospital das Clínicas da USP. Era querido pelos médicos da equipe do Dr. Adib Jatene, em especial o Dr. Enilton Sérgio Tabosa Egito.

Hoje, há nove meses de sua morte, completados no último dia 6, sinto falta de tudo. Não canso em afirmar que ele foi o maior de todos que conheci.

Mauro, parabéns pelo seu aniversário. Um beijo e um forte abraço nesta data querida. Muito obrigado pela amizade e pelo tempo que convivemos.

Saudades...


Fonte: Miseria
face

0 comentários: