Cidades do Cariri apresentam problemas graves com o consumo de crack

09:51 Fagner Soares 0Comentários


Cidades do Crajubar apresentam problemas graves com o consumo de crack (Foto: Guto Vital/ Agência Miséria)

Juazeiro do Norte, Barbalha, Crato e Campos Sales apresentam problemas  graves com o consumo de crack. Um levantamento divulgado pelo Observatório do Crack, ligado a Confederação Nacional dos Municípios (NCM), mostra o mapa do consumo da droga no Brasil, destacando o nível dos problemas enfrentado em cada local. 

Juazeiro, onde o Índice de Desenvolvimento (IDH) é de 0,694,  obteve nível 32 (alto) nos problemas relacionados ao consumo da droga. Em Barbalha (IDH 0,683) repetiu-se o mesmo indicativo que, na separação por cores que indicam a gravidade dos problemas, recebeu a marcação em vermelho. 

Crato (IDH 0,713) e Campos Sales (IDH 0,630) enquadram-se na lista onde situação com o crack é menos alarmante; os dois municípios receberam o nível baixo (azul) no indicativo. No Cariri não há nenhuma casa de tratamento a dependentes químicos que acolham, tratem e readaptem especificamente usuários de crack. 

ALTERNATIVAS

Este trabalho, no entanto, constantemente é promovido por caridade. É o caso da comunidade católica Filhos Amados do Céu, de Crato. Os religiosos mantêm há quatro anos uma casa de apoio que depende de doações, localizada na divisa entre Crato e Nova Olinda. Lá são acolhidas até 20 pessoas, a maioria viciada em crack. "Os internos passam até 1 ano no tratamento físico e acompanhamento espiritual", diz um dos responsáveis, Carlos Eduardo Nicolau.

Paulo Ziulkoski, presidente da NCM, destaca que "o Plano emergencial de enfrentamento ao crack, lançado pelo então Presidente Lula em maio de 2010, não chegou nos Municípios. Dos R$ 410 milhões previstos para ações no ano passado, foram executados pouco mais de R$ 80 milhões". Ziulkoski diz ainda que é necessária a participação da União e dos Estados e a implementação de uma política que contemple todos os Municípios brasileiros.


Por Felipe Azevedo/Agência Miséria
Miséria.com.br

face

0 comentários: