Baixa umidade do ar coloca cidades do Ceará em estado de alerta - Rádio São Pedro Fm 105,9

Post Top Ad

Baixa umidade do ar coloca cidades do Ceará em estado de alerta

Share This

Estado apresenta baixas taxas de umidade do ar (Foto: Reprodução)

Os municípios de Crateús, Juazeiro do Norte e Jaguaribe apresentaram taxas de Umidade Relativa (UR) do ar classificadas pela Organização Mundial de Saúde (OMS) como de atenção e alerta, já que atingiram níveis de 21%, 23% e 19%, respectivamente, no último fim de semana. A informação é da Fundação Cearense de Meteorologia e Recursos Hídricos (Funceme).

Considerando o período das última 24 horas observam-se valores de umidade do ar em torno dos 30%. Por exemplo, Itapipoca, Sobral, Jaguaruana, Barbalha e Morada Nova registraram UR mínima de 33% e 35%. As menores taxas, já consideradas de atenção, aconteceram em Jaguaribe e Crateús, ambas com 28%. Segundo o Núcleo de Meteorologia da Funceme, os índices mais baixos costumam ocorrer entre o período das 12h às 15h. No último fim de semana, a previsão para a taxa referente à umidade relativa do ar no Ceará ficou abaixo dos 30%, conforme informações da Fundação Cearense de Meteorologia e Recursos Hídricos (Funceme). O valor deve voltar a subir na noite desta segunda-feira (2), indicando, até lá, tempo seco.

Imagens de satélite apontaram pouca nebulosidade sobre o Estado neste período, um dos motivos que implicam na redução da umidade. Até a próxima quinta-feira não há condições de chuvas no Ceará, ainda conforme a Funceme.

Porém, existe uma tendência de precipitações para o próximo fim de semana, ainda associada aos Distúrbios Ondulatórios de Leste (DOLs), que são fenômenos típicos desta época do ano e formados na faixa tropical do globo terrestre, na área de influência dos ventos alísios, e se deslocam desde a costa da África até o litoral Leste do Brasil.

De sábado para domingo, os municípios de Jaguaribe e Crateús foram os que registraram níveis mais críticos referentes ao índice, com 19% e 21%, respectivamente. Em igual período, o nível mais baixo registrado em Fortaleza foi de 54%. De acordo com estudos da OMS, quando o valor da umidade relativa fica abaixo dos 30% há estado de atenção; se atingir entre 20% e 12%, ocorre o estado de alerta.

Considerando o território cearense, o quadro não indica surpresa, já que junho e julho - meses seguintes ao período da quadra chuvosa no Estado - costumam apresentar resultados meteorológicos semelhantes todos os anos. Os picos de redução da umidade relativa do ar acontecem em agosto, voltando a sinalizar aumento a partir de setembro, quando registra-se maior presença de ventos, segundo dados do Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet).

Radiação

Por sua vez, o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) apontou outro dado importante, referente ao Índice Ultravioleta (IUV) - medida da intensidade da radiação UV, relevante aos efeitos sobre a pele humana, incidente sobre a superfície da Terra - calculado para Fortaleza ontem (1º). A porcentagem ficou em 13%, enquadrado na categoria "Extremo".

"No Ceará, vai ser frequente até o fim do ano o registro de umidade relativa do ar em torno de 20%", explica o meteorologista da Funceme, David Ferran. "A partir do mês de julho essa é a tendência, e isso decorre da ausência de chuvas. O solo e a vegetação ficam mais secos". O registro de baixa umidade relativa do ar se faz mais notável principalmente no Interior do Estado e quanto mais distante do litoral menor é a taxa de UR. "A faixa litorânea geralmente se apresenta mais úmida, ao longo do ano, em virtude da umidade proveniente da evaporação da água oceânica e que é trazida para o continente pelos ventos", explicou Ferran.

O meteorologista da Funceme explicou que os municípios interioranos registram baixos índices, mas em apenas um grupo reduzido há estações de monitoramento. "Em outras cidades pode até a taxa ser mais baixa, mas não temos como saber porque não há instrumentos de verificação", pontuou. A Funceme não tem dados comparativos com anos anteriores de umidade relativa do ar.

Em agosto de 2017, segundo a Funceme, o município de Iguatu, na região Centro-Sul do Ceará, registrou a umidade relativa mínima média mais baixa do Estado, naquele período. Conforme dados da Plataforma de Coleta de Dados (PCD) instalada na cidade, o índice havia fiado em 13%, o que é considerado estado de alerta na classificação da Organização Mundial de Saúde.

Já Crateús, Quixeramobim e Tauá registraram umidade mínima média entre 16% e 18%, também indicando alerta. Os baixos índices de Umidade Relativa decorrem da época do ano, ao grau de interioridade, ou seja, a distância da costa, e as condições predominantemente secas do solo e da vegetação diminuindo a evapotranspiração para a atmosfera.

Precauções

Segundo afirma a dermatologista Maggy Helmut, precauções devem ser tomadas em quadros como esse para evitar problemas graves na pele. Uma delas é a atenção com a exposição solar, que deve ser evitada no horário compreendido entre 10h e 15h.

Além disso, indica-se que a aplicação do protetor solar aconteça meia hora antes de se expôr ao sol e, depois, a cada duas horas, ou assim que sair do banho de mar ou de piscina. A sugestão é que o produto tenha Fator de Proteção (FPS) 30, no mínimo.

"As pessoas também não podem esquecer de aplicar o produto em áreas como orelhas, pescoço e dorso dos pés. Geralmente, não há um cuidado tão grande com essas partes do corpo", alerta a profissional.

Abusar do uso complementar de materiais que ajudam a driblar a incidência de raios UV na pele também é sempre bem-vindo. Bonés e chapéus com aba longa e óculos escuros com fator de proteção são boas opções, além de hidratação constante.

Ultravioleta

O Índice Ultravioleta (IUV) é apresentado como um número inteiro. Conforme recomendações da Organização Mundial da Saúde, os valores são agrupados em categorias de intensidades.

Na tabela fornecida pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais, consta que valores abaixo de 2 são enquadrados na categoria "Baixo"; de 3 a 5, "Moderado"; de 6 a 7, indicam valor "Alto"; "Muito alto", número de 8 a 10, e "Extremo" acima de 11.

Fonte: Diário do Nordeste


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Post Bottom Ad